A Escola

NORMAS DISCIPLINARES

 DIÁLOGO acima de tudo, tanto com professores quanto com a direção.
Trabalhamos em equipe e estamos sempre dispostos a fazer o melhor.
 Qualquer dúvida ou problema dirija-se a secretaria da Escola, cuidado ao conversar sobre seus problemas no portão da Escola, pois, algumas pessoas de ma fé não ajudam, atrapalham e ainda inventam.
 ESTAR RIGOROSAMENTE UNIFORMIZADOS E LIMPO. (sem adereços extras)
 O ALUNO DEVERÁ CHEGAR SOMENTE 10 minutos antes do horário e o RESPONSÁVEL deve aguardar a saída também no horário previsto, e se comunicar com a Escola, quando houver algum imprevisto.
 Atrasos e faltas não contribuem para um bom rendimento e aproveitamento dos estudos.
 O aluno deve possuir 75% de freqüência.
 Sempre que o aluno faltar por doença, deverá trazer atestado do seu médico.
 A falta é justificada e não abonada com a LDB.
 Em caso de ausência do aluno às provas implicará no pedido de 2ª chamada, no prazo de 72 horas, a contar da data em que tenha sido realizada a primeira chamada.
 Pelo requerimento, o aluno pagará uma taxa prevista pela secretaria.
 Todos os alunos devem possuir todo material exigido e ter muito cuidado com o mesmo.
 Quando o sinal de entrada ou de saída tocar, somente os professores e os Alunos deverão estar no pátio.
 Não é permitido o uso de: celular, MP3, rádios... No espaço escolar.
 Não é permitida a permanência nos corredores e janelas das salas de aula.
 Não é permitido: trazer objetos de valor, mascar chicletes, trazer objetos cortantes, usar corretivo, trazer CD e cassete portáteis e levar para casa objetos que não pertençam ao aluno.
 Os alunos estão sujeitos a repreensões como: ocorrências para os responsáveis assinarem, anotações nos boletins, exercícios extras, cópias, suspensões ou mesmo convidado a se transferir para outra escola.
 O Responsável deve dirigir-se para ouvir e falar em horário oportuno. Em casos urgentes na hora da entrada ou em outros casos na hora da saída, nunca na sala de aula.
 Quando o aluno entrar na Escola, só poderá sair no Término da Aula ou com Pedido do Responsável (por escrito), sendo autorizado pela Direção ou Coordenação, nunca por conta própria, caso aconteça, o aluno será repreendido.
 O aluno só poderá permanecer na sala de aula com a presença do (a) professor (a) ou com a permissão do (a) mesmo (a) ou da Direção.
 Na hora da saída o aluno deve ir direto para casa, uniformizado, assim como vem de casa direto para a Escola. É importante que uma companhia sadia acompanhe o aluno. O responsável deve verificar sempre que possível.
 A Escola sempre lembra aos alunos das normas e espera que os Responsáveis também o façam, pois, FAMÍLIA e ESCOLA devem andar de mãos dadas. Lembrando sempre que a Escola tem compromisso com todos e que (todos) os direitos e deveres devem ser iguais, só assim teremos um futuro melhor.
 Com Disciplina, teremos Ordem e Sabedoria e o Progresso vem como conseqüência das coisas boas e aproveitáveis.
 Aguardamos e Contamos com a colaboração dos Responsáveis, para que paguem a Escola em dia e quando houver algum problema, dê uma satisfação na secretaria.
 Pedimos a Participação dos Alunos e Responsáveis nas Atividades Extra-Classe, realizadas durante o ano letivo.
 As parcelas da anuidade devem ser pagas na Secretaria da Escola, até o dia 5 (cinco) de cada mês.
 Não é permitido pixar blusas da Escola.
 Os UNIFORMES deverão ser encomendadas na Secretaria da Escola, não existe outro Local autorizado.
 Não é permitido vendas de objetos para alunos e professores dentro da escola.
 Não é permitido organizar festas em sala de aula, sem autorização da direção.

USO CORRETO DOS UNIFORMES

• Comparecer diariamente, a partir do prazo obrigatório com os uniformes corretos;
• Não usar objetos extravagantes, nem coloridos quando estiver uniformizado. O enfeite do cabelo das alunas poderá ser todo azul-marinho ou todo branco.
• A meia dever ser toda branca.
• O calçado deve ser de “couro” todo preto ou branco (não pode ser pano ou plástico);
• O UNIFORME TRADICIONAL SERÁ OBRIGATÓRIO TODA SEXTA-FEIRA;
• No inverno deverá ser usado o Conjunto de frio da Escola:
• Encomendar os uniformes na secretaria da Escola com antecedência. Não existe outro lugar autorizado para a venda dos uniformes.
• Está liberado calça e bermudão jeans escuro. Com exceção na Educação Física.
• Todas as meninas deverão comparecer no dia da Educ. Física com os cabelos presos.

USO CORRETO DOS UNIFORMES

• JARDIM 1 E 2 (uniforme branco e azul)
Menino:
TRADICIONAL
 (toda sexta-feira) - Camisa de manga, short ou calça da Escola, tênis de couro e meia toda branca.
Para o uso diário e Educ. Física (recreação), deverá usar: camisa sem manga, short, tênis todo preto e meia toda branca.
No inverno (2ª a 6ª) deverá usar: conjunto de frio da Escola.

Menina:
TRADICIONAL
 (toda 6ª feira) - CCamisa de manga, saia-short, tênis todo preto de couro e meia toda branca.
Para o uso Diário e Educ.Física (Recreação), deverá usar: camisa sem manga, saia-short, tênis todo preto e meia toda branca.
No inverno ( 2ª a 6ª) deverá usar: conjunto de frio da Escola.

• PREZINHO, C.A 1° ATÉ 8° SÉRIE (1º ao 9º ano)
Aluno:
Tradicional (toda 6ª feira) – Camisa de manga, calça comprida da Escola, tênis todo preto de couro e meia toda branca.
Opcional e Educação Física – camisa sem manga, bermudão, tênis todo preto e meia toda branca.
No Inverno (2ª a 6ª feira) – conjunto de frio da Escola.

Aluna:
Tradicional (toda 6ª feira) – Camisa de manga, saia-short da escola, tênis todo preto de couro e meia toda branca.
Opcional e Educação Física – Camisa sem manga, saia-short, tênis todo preto de couro e meia toda branca.
No Inverno (2ª a 6ª feira) – conjunto de frio da Escola.

Em 1966 em uma sala pertencente aos pais da professora Rosita na estrada do Engenho Novo, nº 623 - Anchieta deu-se início a Escola José de Anchieta.
Com apenas 10 alunos, dirigida pela Senhora Rosita e senhor Ari que com bastante entusiasmo fizeram então no dia 9 de junho de 1966, na calçada da escola, a primeira exposição sobre a vida do Padre José de Anchieta com trabalhos dos alunos e alguns murais do desenhista e diretor senhor Ari.
Participaram também alguns responsáveis de alunos e as primeiras professoras da escola Professora Rosita e Professora Gilcéa. Desde então, a data 9 de junho, dia nacional de Anchieta, passou a vigorar como data marcante da fundação da Escola José de Anchieta e, por ter sido também o mês no qual recebeu o primeiro regis¬tro do MEC.
Em 1969, a escola passou para a Rua Adolfo Coelho, 40 - Anchieta. Já com 2 salas construídas, 4 turmas de 1ª a 4ª séries entre manhã e tarde, mais ou menos 60 alunos e mais professoras.
A partir daí a escola vem evoluindo e hoje possuí 11 salas de aula, quadra de esportes, laboratórios de ciências e informática, biblioteca, pátio coberto entre outras dependências. Os cursos de Educação Infantil e Ensino Fundamental formam um total de 10 turmas.
Conta desde 1981, além dos diretores, com o apoio da filha do casal a Subdiretora Professora Margarete que vem mantendo o ideal de trabalho que é baseado no lema da escola: disciplina, saber e progresso.
Conta também com a seriedade da equipe técnico-administrativa, Professores, Auxiliares e outros profissionais que enriquecem todo o trabalho.
Graças ao trabalho consciente do grupo, temos um vasto número de profissionais bem sucedidos que passaram pela Escola no caminhar desses anos como, por exemplo, médicos, engenheiros, oficiais militares, jornalistas, professores, etc.
Sempre mantendo um diálogo aberto entre direção, funcionários, pais e alunos, temos cumprido nossa meta e esperamos contar com a compreensão e seriedade de todos para um trabalho cada vez melhor.

Missionário, Jesuíta, nasceu em São Cristovão de Laguna, na ilha de Tenerife, em 1534. Tendo ido frequentar a Universidade de Coimbra, ali entrou na Companhia de Jesus em 1551.
Veio para o Brasil a 13 de julho de 1553. Foi um dos fundadores de São Paulo e o primeiro mestre do Colégio de Piratininga. Em 1563 acompanhou o Padre Nóbrega a negociar a paz com os índios Tamoios, ficando com eles em perigo, como refém. Foi lá que escreveu sobre a areia da praia o seu famoso poema em honra a Nossa Senhora. Ordenou-se sacerdote em 1565. Fundou a cidade de Anchieta e Guarapari naque¬le mesmo ano.
Superior de São Vicente e Providencial da companhia no Brasil, com exemplo das suas heróicas virtudes e prudências de governo, dirigiu os súditos no caminho da perfeição e no trabalho de conversão e aldeamento dos índios, até que cansado de tantas lutas apostólicas, faleceu a 9 de junho de 1597 na aldeia de Reritiba (atual Anchieta - ES).
Pelo explendor de suas virtudes, cuja heroicidade a igreja reconheceu a 10 de agosto de 1736 e pela multidão das maravilhas que operou, mereceu ser chamado de Apóstolo e de Taumartugo do Brasil. Em 22 de julho de 1980, o Papa João Paulo II, o declarou bem-aventurado.